quinta-feira, 3 de março de 2011

Hábitos migratórios

 

Um dos mais intrigantes aspectos do comportamento das baleias é o hábito migratório. No Oceano Pacífico, as baleias jubarte migram ao longo da costa americana até o Havaí retornando para as mesmas áreas ano após ano. Elas tendem a migrar com a troca das estações tirando proveito das águas mais quentes em direção ao Equador durante os meses mais frios e da grande quantidade de alimento no Ártico durante os meses mais quentes. A maioria das espécies não migra regularmente em direção ao Equador, então devem existir grupos separados de cada espécie no hemisfério sul e no hemisfério norte.




Os cientistas estudam a migração das baleias de várias maneiras. Em muitas espécies as baleias têm marcas distintas na cauda que possibilitam aos pesquisadores identificar tipos específicos e segui-los aos locais por que passam para se ter uma idéia de onde vão e de quando estão migrando. Os pesquisadores também usam sinalizadores via satélite, que são rádio transmissores que se comunicam com os satélites, para rastrear a localização de uma baleia. Os pesquisadores colocam o transmissor nas costas da baleia usando arco e flecha normais. Como a gordura da baleia é grossa e o transmissor é pequeno, ela não é ferida.
Os transmissores têm mostrado que algumas espécies migram distâncias muito maiores que os cientistas anteriormente estimavam. Os pesquisadores rastrearam baleias jubarte que viajam centenas de quilômetros em poucas semanas indo de latitudes extremas ao norte para latitudes equatoriais e retornando. As baleias cachalote macho parecem andarilhos indo de oceano para oceano sem um padrão específico. 
Na maioria das outras espécies, a migração está relacionada à reprodução. Geralmente as baleias fêmeas acasalam no outono ou inverno, quando estão em águas mais quentes e dão à luz na mesma região cerca de um ano mais tarde. No verão, entre o acasalamento e o nascimento, a fêmea tira proveito dos ricos recursos de alimento das águas mais frias do norte. Isso fornece a energia de que ela precisa para alimentar o filhote.



Foto cedida pelo Sea World Orlando
Filhote de orca alimentado pela mãe. Os filhotes bebem uma enorme quantidade de leite nos primeiros meses e engordam dezenas de quilos por dia.


Os filhotes podem nadar assim que nascem e sobem à superfície para respirar, mas precisam ser muito bem alimentados antes que possam se aventurar sozinhos. Dependendo da espécie, os filhotes podem ficar junto com a mãe por um ano ou mais antes de se juntar às outras baleias mais jovens para brincar. Na maior parte deste período, o filhote subsiste somente do leite da mãe. As fêmeas têm duas úberes, normalmente escondidas dentro de fendas atrás do abdômen e perto da base da cauda. O leite das baleias é excepcionalmente rico e fornece aos filhotes os nutrientes de que eles precisam. Um filhote de baleia azul bebe 189 litros de leite todos os dias e engorda 4,5kg a cada hora. Um filhote recém-nascido pode medir 7,60 metros da cabeça à cauda e pesa mais do que um elefante africano adulto.



Há baleias de vários tamanhos


Como o período de gestação é longo na maioria das espécies e o período de amamentação é muito exaustivo, as fêmeas têm filhotes somente em intervalos de dois a quatro anos. Essa baixa taxa de reprodução significa que qualquer caça em grande escala pode reduzir bastante a população das baleias.
Na próxima seção, discutiremos as diferenças entre as baleias e os golfinhos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário